sexta-feira, 28 de janeiro de 2011


Foi assim inesperado, quando eu voltava do correio estava pensando nele, como queria encontrar ele, estava com uma saudade que me dava aquele frio na barriga, o caminho inteiro e nada dele, cheguei na loja me sentei e reclamei do calor, foi quando ele entrou pela porta, só vi o sorriso, tirou os óculos, meu coração disparou, parecia mentira, fui até ele e o abracei, como ele tava diferente, lindo, muito lindo, mais homem e eu toda bagunçada, droga, nem tinha me arrumado direito, minha maquiagem tava borrada por causa do calor, meu cabelo tava preso, coisa que eu nunca faço quando vou encontrar alguém, principalmente ele, mas mesmo assim ele me olhava,eu sem graça, tremendo(como todas as vezes), meu coração tava disparado ainda, a pergunta de sempre, como anda a vida, queria que a resposta fosse outra, mas ainda é a mesma, foi uma visita rápida, ele teve que ir embora logo, mas me pediu um beijo antes de ir e eu beijei, abracei, senti o perfume dele e ele foi embora.
Passei o resto do dia sem conseguir trabalhar, sentia um vazio, como eu quero ele de volta, como eu quero ele pra mim.
Ele é meu amor, o único homem que eu casaria, o único que eu teria outro filho, por ele eu largaria tudo, pegaria meu juizo na gaveta e seria feliz, com certeza, muito feliz...

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

E mais uma vez subi aquelas escadas, com o coração na mão, com uma vontade imensa daquele beijo...e ele lá deitado, parecia que me esperava, como sempre, abri a porta e ele me olhou, levantou o cobertor e eu deitei no peito dele, o coração calmo, esquentou minhas mãos geladas, passou a mão nos meus cabelos, me beijou, me abraçou...

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

E o famoso frio na barriga...
A quanto tempo isso não acontecia...
Justo por ele...
Podia ser qualquer um menos ele...
Odeio as lembranças, na verdade não, não tem como odiar...
Merda de noites perfeitas...
Mas é sempre assim, noites perfeitas nem sempre continuam com dias perfeitos e é sempre assim...
O dia seguinte...
Odeio o dia seguinte...
Queria não dormir...
Pra poder continuar...
Pra não acabar nunca...
Pra ter aqueles beijos sempre...
A mão no cabelo...
Como gosto de enrolar meus dedos naquele cabelo...
Como gosto das mãos dele no meu cabelo...
Da voz dele no meu ouvido...
Sai frio na barriga...
Não posso mesmo...
Coisas impossíveis não acontecem assim...
A vida não é um filme...
Nessa história não existe um "Viveram felizes para sempre"